Portal do Governo Brasileiro


CONHEÇA A REDE CEGONHA

Por meio da Rede Cegonha, o SUS proporciona planejamento reprodutivo e assistência à gestante durante o pré-natal, parto, nascimento e período puerpério, com atenção integral à saúde da criança. Conheça os direitos da mãe e do bebê durante todo esse processo.

Cuidados do pré-natal à saúde do bebê

PRÉ-NATAL

A assistência pré-natal adequada, com a detecção e o atendimento precoce em situações de risco, é fundamental para a saúde da mãe e do bebê e pode diminuir as principais causas de mortalidade materna e neonatal.

Conheça alguns dos direitos garantidos pelo SUS:

  • Teste rápido de gravidez;
  • Consultas e exames de acompanhamento de acordo com a caderneta da gestante;
  • Detecção e prevenção da transmissão de doenças, como sífilis e HIV;
  • Preparação física, psicológica e emocional para o parto;
  • Incentivo ao envolvimento do pai ou parceiro durante todo o processo.

PARTO

O parto é um evento fisiológico e social que vai muito além de uma ocorrência médica. O parto humanizado considera os aspectos emocionais, humanos e culturais envolvidos no processo de gestação e nascimento.

Saiba mais sobre as práticas do parto humanizado recomendadas pela Organização Mundial da Saúde:

  • Assistência em ambientes não hospitalares, como o parto domiciliar e em centros de nascimento;
  • Equipe multiprofissional, com enfermeiras obstetras para acompanhamento de partos e nascimentos de baixo risco;
  • Uso de métodos não farmacológicos e farmacológicos para o manejo da dor;
  • Incentivo ao parto normal e redução do número de cesarianas, que chegam a 88% nos hospitais privados brasileiros;
  • Conscientização das famílias e dos profissionais de saúde para combater a violência obstétrica.

PUERPÉRIO

Os cuidados com a gestante não acabam após o nascimento. As situações de mortalidade materna e infantil ocorrem em boa parte na primeira semana após o parto. Por isso a atenção é fundamental.

Saiba como o SUS atende a mãe e o bebê no período puerpério (42 dias após o parto):

  • Atenção obstétrica contínua até 42 dias após o parto;
  • Cuidados com o recém-nascido;
  • Assistência à amamentação;
  • Planejamento reprodutivo;
  • Cuidados na relação entre pais e bebês.

Perguntas frequentes

1. Gestantes devem tomar vacinas?

Vacinas são especialmente indicadas para gestantes que não tenham sido vacinadas anteriormente contra algumas doenças. Converse com seu médico.

2. O que é o abortamento espontâneo?

O abortamento espontâneo é a perda da gravidez antes da 20ª semana e ocorre em, aproximadamente, 10% a 15% das gestações.

3. Quais são as consequências do abortamento espontâneo?

Além de sensações de perda, culpa e tristeza, o processo pode trazer complicações para o sistema reprodutivo. O SUS oferece uma atenção técnica adequada, segura e humanizada para as gestantes e as famílias nesse momento de fragilidade.

4. O que é violência obstétrica?

São considerados como violência obstétrica os tratamentos médicos excessivos ou inapropriados, as práticas obstétricas reconhecidamente desaconselhadas e o impedimento da presença de acompanhante de escolha da gestante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto.

Também configuram-se como violência obstétrica práticas que violam a intimidade ou o pudor das mulheres e incidem sobre sua integridade sexual e reprodutiva.

Os profissionais de saúde devem acolher com dignidade as mulheres no momento da gestação, parto, pós-parto e abortamento.